.comment-link {margin-left:.6em;}

Hermeneuma

Interpretação de temas bíblicos e reflexão sobre questões de doutrina e vida cristã.

sexta-feira, dezembro 22, 2006

Presentes para Jesus

Neste Natal, penso nos muitos milhares de crianças que morrem todos os dias, todas as horas, todos os minutos, vítimas da fome, da guerra, da violência doméstica; penso na minha infância e na infância de muitos meninos e meninas que não tiveram tempo de ser crianças e jamais tiveram um mimo de Natal. Sim, penso naquelas crianças que, de olhos arregalados, apenas se deleitam a contemplar os brinquedos dos outros ou a dar asas ao seu imaginário sempre que passam pela montra de uma loja recheada de coisas lindas que nem sequer sonham poder vir a ter.
Neste Natal, ainda mais se sentem as abismais diferenças do mundo em que vivemos. Pois, enquanto uns se deleitam com o supérfluo, não apreciando sequer a doçura da essência das coisas que em si abundam, outros, muitos outros, nem sequer têm pão que lhes mate a fome. Até mesmo na América, o país mais próspero do mundo, mais de 40 por cento da riqueza nacional está nas mãos de apenas um por cento da população!
Como podemos nós ajudar a suavizar tanto sofrimento, dor e miséria? Sendo pessoas melhores, mais justas, mais generosas e mais tementes a Deus, cultivando o dar e socorrendo os aflitos, não esbanjando nem nos deixando envolver num consumismo desenfreado. Estas são as coisas que mais agradam a Deus neste Natal. Estes serão os nossos melhores presentes de Natal como actos de verdadeira adoração ao Senhor Jesus. E, se conseguirmos incutir nos nossos filhos a essência desta visão do Natal, estaremos com certeza a dar um passo gigante em frente para abençoar o nosso próximo e exaltar com grandeza de alma o grande e todo-poderoso Deus; esse Deus maravilhoso que do céu veio à terra para fazer-se nosso irmão, esvaziado de tudo no calvário para nos enriquecer a nós, e para de graça nos assegurar a vida eterna.
Que presentes temos nós para dar a Jesus neste seu Natal? Que sejam presentes que brotam de corações agradecidos e levem consigo as marcas de vidas a Ele consagradas.

sábado, junho 24, 2006

SEXO E FUTEBOL
Grupos que lutam pelos direitos humanos estão compreensivelmente horrorizados por verem como na Alemanha a prostituição se combina com o desporto neste campeonato mundial de futebol; a mesma Alemanha que em 2002 legalizou esta dita mais velha profissão do mundo e que já conta com mais de 400.000 prostitutas legais. E porque essas centenas de milhares de prostitutas não são suficientes para satisfazer muitos dos 3 milhões de visitantes que o campeonato mundial de futebol atrai à Alemanha, observa o Christianity Today, as cidades envolvidas neste campeonato já asseguraram licenças para casas de sexo devidamente equipadas com preservativos e comida ligeira nas imediações dos próprios estádios onde jogam as equipas de 32 países. Com base nestas iniciativas, foram ainda contratadas por certas organizações mais de 40.000 mulheres de outros países, sobretudo dos países mais pobres da Europa de Leste, como a Irina que referimos no blog anterior.
A prostituição deixa mulheres e crianças física, mental, emocional e espiritualmente devastadas. As estatísticas são estarrecedoras. Pesquisas feitas por uma universidade americana em nove países concluíram que 60 a 75 por cento das mulheres que se prostituem foram violadas, 70 a 95 por cento foram fisicamente maltratadas e violentadas, e 68 por cento ficaram de tal modo traumatizadas e mentalmente afectadas, que é um milagre virem algum dia a recuperar-se.
Quer os governos das nações legalizem ou não a prostituição, o facto é que Deus criou o sexo como um dom sagrado e o destinou a ser partilhado numa relação de vida matrimonial e no âmbito de casamentos heterossexuais. Qualquer outro uso da nossa sexualidade deteriora e desfigura a imagem de Deus na vida de um ser humano.
Não nos admira que os muçulmanos se voltem para o ocidente e declarem que ele está em decadência. Qual é, pois, o nosso papel como cristãos no meio de tudo isto? Como vamos nós dar expressão ao cumprimento da nossa missão sagrada? Qual é o nosso contributo diário para mudar este estado de coisas? Suplica e ora, irmão, por este mundo sem Cristo e sem Deus. Ora diligentemente pela conversão e regeneração de almas tão atribuladas pelo poder tirânico do pecado. Ora pelos teus próprios filhos, pais, marido ou esposa para que resistam a toda a tentação que possa vir, e persistam em ser bons exemplos da vida restaurada e vitoriosa que o Senhor Jesus Cristo assegura, sustenta e dá.

sexta-feira, junho 23, 2006

Em busca de uma vida melhor
Em busca de uma vida melhor, uma jovem de 18 anos chamada Irina respondeu ao anúncio de um jornal que oferecia um curso de formação em Berlim. Com um passaporte falso, viajou da Ucrânia para a Alemanha e aí lhe foi dito que a escola estava fechada e que ela iria ser enviada para a Bélgica, onde já tinha trabalho assegurado. Ao chegar àquele país, a Irina tomou consciência de que devia 10.000 euros a quem a enganou, e que os teria de pagar prostituindo-se. Os responsáveis pela rede de prostituição em que Irina assim caíra ficaram-lhe com os documentos, bateram-lhe, violaram-na e transformarem-na em prostituta. Um dia, tornada em pouco mais do que um farrapo humano, a Irina conseguiu escapar, para logo a seguir ser presa por falta de documentos.
O tráfico sexual é um problema tremendo na Europa e no mundo inteiro. Continua o artigo do jornal "Christianity Today" a relatar os resultados da investigação feita numa universidade americana, dizendo que o tráfico global de mulheres e jovens para fins de exploração sexual ronda os 7 mil milhões de euros por ano, e que muitos mais milhões se fazem em centros privados de prostituição.

quinta-feira, junho 22, 2006

A Primeira Dimensão do Amor



Amar é complicado porque é mistério, desafio e unção; sobretudo amar como Deus amou. Tão banal se tornou a palavra amor, que hoje consegue ser tudo menos aquilo que verdadeiramente é; prazer, paixão, relação sexual, satisfação egoísta dos desejos mais primários, etc. Mas amor, no sentido real da palavra, é dádiva, um grande desejo de dar e dar-se, de partilhar e compartilhar, de fazer alguém feliz. Este é o sentido do amor que Deus ensina: "Deus amou o mundo de tal maneira, que lhe deu o seu Filho unigénito, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna" (João 3:16).
Três são as dimensões do amor: amor a Deus, amor ao próximo e amor a nós mesmos. Destas três dimensões, o amor a Deus é de longe a primeira. Por isso que o primeiro e grande mandamento da Lei de Deus é: "Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, com toda a tua alma, com todo o teu entendimento e com todas as tuas forças". E quando nós amamos assim a Deus, então, e só então, nos encontramos em condições de verdadeiramente nos amarmos a nós mesmos, e de com igual medida amarmos o nosso próximo; pois só assim cumpriremos o segundo mandamento da Lei de Deus, que é: "Amarás o teu próximo como a ti mesmo". E o facto é que nestes dois mandamentos se cumpre toda a Lei.
Ora, se cumprirmos a primeira dimensão do amor – que é amar a Deus sobre todas as coisas – nós ficaremos automaticamente em condições de cumprir também as outras duas dimensões, que são amar-nos a nós mesmos na medida saudável e certa, sem egoísmos exacerbados, e amar o nosso próximo com o mesmo peso e medida com que nos amamos a nós mesmos. E quando assim o fazemos, nós passamos a investir no outro, no nosso próximo, desejando para ele a mesma alegria, a mesma felicidade, a mesma prosperidade, a mesma vitória, o mesmo sucesso na vida que desejamos para nós próprios. Não só o desejamos como também agimos em conformidade com os nossos desejos, sendo generosos e misericordiosos, passando o testemunho da nossa fé aos outros, contribuindo assim para um mundo melhor e para um mundo de pessoas melhores. Uma vida que só aposta em receber e nada dá, esgota-se em si mesma, fica cada vez mais amarga e acaba por contribuir para a destruição de toda a vida que há em si, tal como aconteceu com o Mar Morto.